20 de março de 2016

CONVERGENTE: o filme que superou o livro



O título diz tudo. O ano passado, acabadinha de sair do cinema depois da estreia do Insurgente, fui-me enfiar na Bertrand e trouxe para casa o livro 'Convergente'. Pensei eu cá para mim: "Qual esperar um ano pelo próximo filme, vou ler o livro e ficar a saber a história primeiro que toda a gente". Sempre armada em espertalhona! Mal sabia eu que o livro está para o filme como eu estou para a agricultura: simplesmente são coisas que nada têm a ver uma com a outra. 

Claro que o 'baseado em...' tem muito que se lhe diga, mas nunca pensei que modificassem tantooooo o filme em relação ao livro, mas sabem que mais? Ainda bem que o fizeram. Na minha opinião, o livro não é tão interessante como o filme. O filme trouxe várias mudanças na história, tornando-a mais interessante e, acima de tudo, organizada. Acho que o final que deram a este filme desperta a curiosidade do público para o próximo, o que claramente não iria acontecer se seguissem a linha do livro, que não tem uma 'conclusão' ou um ponto de viragem que nos prenda. 

Como é óbvio, não vou adiantar pormenores sobre o filme, mas aconselho irem este fim de semana ou, quem sabe, nas férias da páscoa dar uma espreitadela num cinema mais próximo. Se são fãs desta 'série' de filmes, de certeza que vão adorar este último (mais não seja para ver o lindão do Tobias Eaton (ou Quatro, é como quiserem chamar) sem ser na tão falada publicidade do perfume da Hugo Boss (sim, este mesmo). 

Se já foram ver, adorava ler a vossa opinião nos comentários.


Sem comentários:

Enviar um comentário