1 de novembro de 2015

Coisas bizarras que me acontecem nos WC públicos - PARTE 2

<a href="http://www.bloglovin.com/blog/14531135/?claim=zvw2wcewp4k">Follow my blog with Bloglovin</a>


  Há quase um ano partilhei um post convosco sobre algumas coisas bizarras que me aconteceram nos WC's públicos. Estão recordados? De qualquer das formas, podem avivar a memória aqui. Como estava eu a dizer, partilhei por aqui três episódios bem caricatos que aconteceram à minha pessoa em wc's públicos e, curiosamente, foi um dos post's mais vistos e apreciados por aqui. Pois hoje retomo o mesmo tema, com mais três situações bizarras que, por sinal, me acontecem várias vezes, também em wc's públicos. Eu estas tenho a certeza absoluta que acontecem muito frequentemente a vocês também, por isso considerem-se à vontade para partilhar também as vossas experiências nos comentários.





1. Esta primeira acontece-me 90% das vezes que vou à casa de banho de um restaurante. Quando surge uma vontade repentina de ir ao wc, existe todo um ritual: primeiro olho ao meu redor para descobrir onde é a casa de banho, depois tento verificar se há alguém 'em fila' para usar a dita cuja e, só quando tenho a certeza absoluta que a casa de banho está livre, é que dou ao pé em direção à mesma. Esse espirito de estar em pé em frente da casa de banho, a ouvir tudo o que a pessoa está a fazer lá dentro, enquanto espero pela minha vez, definitivamente não é para mim. Bom, então lá vou eu, entro na casa de banho, faço todo aquele trabalho de tentar limpar o melhor possível a tampa da sanita e é precisamente quando me sento que a coisa descamba. Então não é que há sempre, mas sempreee alguém que bate á porta no preciso momento em que me preparo para fazer as minhas necessidades fisiológicas? No meio de toda aquela aflição só tenho tempo para dizer 'está ocupado', mas a pessoa parece não ouvir e bate novamente, e aqui repetes a mesma coisa, muito mais alto, e mesmo assim ... a pessoa não conseguiu perceber. O pior vem depois que é quando a pessoa do outro lado tenta abrir a porta e tu já começas a perder a paciência porque, primeiro, ainda não conseguiste fazer as tuas necessidades e porque, segundo, está alguém a chatear-te e a tentar entrar-te pela casa de banho a dentro. Assim tu optas por literalmente berrar um 'está ocupado páaa' e a outra pessoa liberta ou 'ahh não ouvi', o que te deixa ainda mais furiosa. É que já nem dá para se estar na casa de banho descansada

2. O problema que está no número 1 tem a sua outra fase da moeda. Chegas à porta da casa de banho e ela está fechada. Ao contrário das pessoas que tentam abrir a porta e que não ouvem um 'está ocupado', eu espero e parto sempre do princípio que, se a porta está fechada, é poque tem gente, então eu decido esperar mais atrás. Passam 5, 10, 15 minutos e não sai ninguém. Depois, das duas, uma: ou eu lá vou bater à porta (pior coisa do mundo) e, como ninguém diz nada, abro a porta e constato que a casa de banho esteve sempre vazia e eu esperei 15 minutos escusadamente ou, bem pior, vem alguém que não te considera 'na fila' por estares ali feita borrega à porta há 15 minutos e simplesmente entra na casa de banho e passa-te á frente. Isto.já.me.aconteceu.tantas.vezes!! 

3. Esta aconteceu-me há dois dias no Mc Donald's da 2ª circular, depois de uma ida às compras com as minhas amigas. Entro na casa de banho, vazia, escolho uma cabine e lá faço o mesmo ritual de sempre. Dou por mim a pensar 'gosto tanto quando as casas de banho estão completamente vazias' e é quando vem uma enchente de pessoas. Depois de rezar a todos os santinhos para que não tentassem abrir a porta da cabine onde estava, percebi que toda aquela ceita feminina apenas foi para a casa de banho para combinar arranjinhos com uns supostos rapazes que estavam com elas. E lá me vejo novamente numa situação complicada, com apenas duas opções de fuga: ou esperava eternamente que elas fizessem os arranjinhos (aquilo estava mesmo complicado) ou simplesmente saia da minha cabine e deparava-me com as expressões de quem não fazia a mínima ideia de que estava uma personagem de metro e meio, dentro da casa de banho a ouvir tudo. Fui salva por um telefonema qualquer que uma delas atendeu e que as meteu na alheta. Já ouvi falar de casos piores, como por exemplo, estares na casa de banho e ouvires pessoas a falarem de ti ou de algo que tenha a ver contigo, maaaas ... isto foi igualmente mau, até porque o conteúdo que elas, de sem querer, partilharam comigo ... era um mimo


E por agora é tudo. Esta vida de quem anda nos wc's públicos tem acesso a um vasto mundo de situações caricatas, mas há casos em que não temos mesmo opção de escolha. Como já referi, partilhem as vossas experiências mais bizarras nos comentários, sem medos



Sem comentários:

Enviar um comentário