12 de outubro de 2015

Falta de tempo

   Longe vai a fase em que tinha montes e montes de tempo para fazer aquilo que me desse na real gana. Com o início das aulas e com um horário a abarrotar com sete cadeiras (sim, sete!) para fazer neste semestre (e mais sete no segundo), o meu tempo divide-se apenas por duas coisas: a faculdade e o trabalho. Qual vida social, qual tempo para meter as minhas séries favoritas em dia, qual lazer. Ainda por cima meti-me na aventura de prometer a mim mesma que, este ano escolar, vou passar a todas as cadeiras. Maldita a hora! Faltar está fora de questão a não ser que seja mesmo mesmo necessário, e aqueles esporádicos tempinhos em que estou em casa tenho obrigatoriamente de os usar para meter alguma matéria em dia. Autêntica vida de escrava universitária.



Vocês não fazem a mínima ideia como é difícil ser trabalhadora-estudante. Para além de ter todo o meu tempo repartido, quase não tenho tempo para me deslocar da faculdade para o trabalho a horas decentes. Como querem que saia da faculdade às 18 e me meta no trabalho às 18:30 com todo um trânsito infernal entre ambos? Hora de ponta minha gente ... é de fugir. Façam o que fizerem, não se metam no centro de Lisboa à hora de ponta. Já para não falar que me é impensável entrar no trabalho sem comer. Mas e tempo para comer em meia-hora? Haver até há ... dentro do carro enquanto estou no trânsito. Por isso se virem alguém dentro de um Renault cinzento a devorar umas três sandes, um bolo e dois sumos ... essa sou definitivamente eu. É super stressante ver os minutinhos a passar e tu estás estagnada no mesmo sítio, principalmente quando já estão quase quase a bater as 18:30 e tu sabes que ainda tens de ir vestir a farda do trabalho na casa de banho minúscula da sala dos funcionários. Mas pior ainda é quando finalmente pensas que te vês livre do trânsito e, depois de uma curva, lá está ele de novo. Filha da mãe! E pronto, é aqui que eu penso que já vou mesmo atrasada para o trabalho e como mais qualquer coisinha para afogar as mágoas (detesto chegar atrasada, seja onde for)! 

   Mas nem tudo tem sido assim tão negro como descrevo. Na próxima quinta-feira faço 23 anos (yeaaah) e pretendo aproveitar muito bem o meu dia com as pessoas que mais gosto. Aliás, só se faz anos uma vez por ano e só se faz 23 anos uma única vez na vida, por isso considero fora de questão não dar a devida importância ao meu dia. Para conseguir organizar tudo foi uma verdadeira luta. Primeiro precisava de trocar umas folgas para conseguir estar em casa no meu dia de anos. Depois a escolha do restaurante. Depois confirmar a presença de quase 30 pessoas. E finalmente a busca acessa por aqueles balõezinhos pindéricos com o número 23 só porque quero! Mas depois de um dia inteiro em jejum para fazer (outra) colonoscópia MEREÇO ISTO E MUITO MAIS. E mereço também um grande e delicioso hambúrguer neste preciso momento.

Este discurso todo para tentar explicar a minha ausência por aqui. A minha vida tem sido uma correria autêntica, e ideias para posts não me faltam, mas tempo é coisa que não tenho em abundância. Por isso decidi fazer um post fixo aos sábados, que é o único dia que tenho um tempinho para poder vir aqui. E já agora ... quase 25 mil visitas? Muitooo bommm. 




Sem comentários:

Enviar um comentário