16 de junho de 2015

Homens... #5

Este é mesmo um post sobre homens, estes seres complexos, criaturas de Deus. Eu estou rodeada de homens no meu seio familiar: tenho o meu pai, os meus dois irmãos, dois tios, dois avôs e ainda o meu namorado. O meu metro e meio de altura não dá conta de tanto drama masculino junto, por isso tendo a fazer ouvidos moucos, mas depois existem aquelas situações ... 

Ainda hoje estava o meu irmão mais novo à procura da pen do comando da Playstation para jogar com o Pedro, o meu namorado. A definição de procurar dele é comum a todos os homens: espreita atrás das coisas, senta-se no sofá, volta a espreitar e espera que, milagrosamente, aquilo que procura lhe caia em cima como por magia. Vi-o, com estes dois olhos de ver, a espreitar umas 4 vezes para trás do móvel da televisão (aliás, foi quase o único sitio para onde ele olhou para procurar a estúpida pen do comando) durante uns 3 segundos. Inclusive mandou o meu irmão mais velho sair da mesa do computador para espreitar atrás da torre, e nada. Depois de quase 10 minutos a ver dolorosamente a 'tentativa' dele de procurar alguma coisa, levantei-me, espreitei durante 2 segundos para trás da televisão (onde ele já teria estado 4 vezes) e pumbaaa ... lá ela apareceu magicamente

Outra foi ontem. O meu namorado lindo sabe exatamente o meu horário de trabalho, pois é sempre o mesmo, não é rotativo. Ele tem aquele jeito confuso de querer dizer-me uma coisa mas nunca o faz diretamente. É como quem quer ir para o Algarve mas vai dar a volta ao Porto primeiro. Pois bem, estávamos nós já não me lembro onde e ele pergunta-me "amanhã entras às 18 e meia amor?" ... isto é ele a fazer-me uma pergunta sobre a qual já tem a resposta há 2 anos e 4 meses. E esta pergunta foi uma espécie de código masculino para "vou jogar à bola às 19 e meia". Notem a complexidade da coisa: ele quer dizer-me que vai jogar à bola mas começa por me perguntar algo que já sabe, e que por acaso nada tem a ver com aquilo que ele que quer realmente dizer. Juro, nem eu sou assim tão complexa, e acreditem ... nunca pensei que fosse possível. 


Sem comentários:

Enviar um comentário