11 de fevereiro de 2015

Uma aventura no IMTT



Vocês não estão bem a ver a aventura que é ir ao IMTT. É que consegue ser pior que a Segurança Social, apenas com a vantagem de não ter ciganas aos gritos. Bom, então lá fui eu, depois da aula de Recursos para a Análise Linguística ao IMTT para pedir a segunda via da minha carta de
condução. Qual não é o meu espanto quando lá chego e verifico que o sistema de senhas é feito à mão. Sim, à mão (eu avisei que era pior que a SS): pegam num pedaço de papel, escrevem um número e mandam-nos para o primeiro andar. Quando cheguei ao dito primeiro andar só não arranquei os cabelos porque ... sinceramente não sei bem o porquê, mas garanto que era caso disso.

Para além da sala estar apinhada de pessoas, aquela placa que supostamente devia estar a funcionar a fim das pessoas saberem em que número vai o atendimento, estava desligada. A confusão estava instalada e eu estava precisamente no meio dela. Ao princípio pensei que isto só podia ser uma cena à "apanhados" e que a "apanhada" era eu ... mas depois percebi que não, que estava em Portugal e que, sem ter dado conta, tínhamos-nos transformado num país do terceiro mundo. Quem proferia o número das senhas era um rapaz (quer dizer, na verdade não sei bem se lhe devo chamar rapaz ou senhor ... vamos supor que está ali no meio entre o rapaz é o senhor) que estava pior que eu: se mais um velhote lhe fizesse uma pergunta ou se mais alguma alminha se metesse a estrabouchar com ele, tenho quase a certeza que lhe daria para a rebeldia, desistia de forçar a simpatia e ia embora

Acreditem, estavam cerca de 100 pessoas naquela sala, e dessas 100 estavam cerca de 50 a reclamar (e com razão) com os atrasos, os atendimentos e o tempo de espera. E eu, pequena, cheia de calor, sono e fome, estava ali no meio, com 20 pessoas há minha frente. Mas quem te manda perder a carteira Vanda Madeira Pinto???

1 comentário:

  1. Opa nem me digas isso que eu tenho de ir ao IMTT mudar a morada da minha carta :o Até tenho medo!

    http://thefashionaddicted.com

    ResponderEliminar