11 de dezembro de 2014

Coisas bizarras que me aconteceram nos WC públicos



Não é que goste muito da ideia de ir aos WC's públicos, mas há alturas em que não temos mesmo outra alternativa, principalmente alguém com uma doença inflamatória no intestino ainda presente (como eu). Se estiver num centro comercial todo XPTO tendo a ficar mais tranquila porque sei que os wc's destes pólos comerciais têm uma imagem a manter, logo as casas-de-banho têm a feliz tendência de se encontrarem em bom estado.
Pior pior é quando estamos num sítio em que sabemos que os wc's são para baixo de nojentos, porque já tivemos a horrível experiência de lá irmos noutra ocasião, e a vontade aperta e pronto ... lá estamos nós de novo enfiados, constantemente desconfiados até do chão que estamos a pisar. Mas não se deixem enganar pelos wc's decorados como se fossem um museu, pois é ali, entre aquelas 8 ou 9 cabines, que as coisas mais bizarras acontecem ... pelo menos foi assim comigo. Para não ficar aqui até amanhã, vou-vos contar 3 das piores situações por que passei nos WC's públicos, e depois de lerem com atenção, desliguem o cérebro 3 segundos e esqueçam tudo aquilo que leram.

1. Foi no WC do Colombo, aquele mesmo ao pé do Solinca, em que as senhoras têm de subir uma quantidade monstruosa de escadas para aliviarem a 'pressão'. Estava eu equipada com o manto sagrado e cachecol dos NN Boys, era dia B e antes de prosseguir caminho para o Estádio, decidi aproveitar que estava no Colombo para fazer um xixi. Aquele wc só tinha 2 cabines (bom, na verdade eram 3, a outra estava ao pé da porta de saída mas eu não reparei), por isso entrei numa delas, fechei a porta e preparei-me para o que vocês imaginam que me estava a preparar (LOL). Passados uns segundos ouço alguém entrar na cabine que estava ao meu lado. Eu demoro sempre uma eternidade na casa de banho, então enquanto estava de pé a ajeitar a roupa, eis que um rolo de papel 'rebola' da cabine ao lado para dentro da minha cabine. Claro que fiquei pasmada, o que fazia um rolo de papel higiênico a rebolar de cabine em cabine, o malandro? É então que, do outro lado, alguém diz: "Desculpe, pode-me passar o papel que me caiu das mãos sff?". Claro que dei um chuto no papel e lá foi ele de regresso a casa, mas eu? Eu ... eu não aguentei e desatei a rir às gargalhadas, sem pudor nenhum, como se a vitória do Benfica naquele dia dependesse disso. Escusado será dizer que me despachei a sair dali antes que vissem quem era a rapariga que desatou a gozar com a desgraça dos outros. 

2. Foi no WC do Vasco da Gama, ainda hoje, eram umas 14 horas. Depois de demorar uns 20 minutos para estacionar o carro no parque (aquilo está tudo novo), subi as escadas rolantes e pensei: "Como me vou demorar, aproveito que estou aqui e faço já o xixi que num futuro próximo vai dar ar de sua graça" e lá fui eu, satisfeita por ser um ser super inteligente. Escolhi a última cabine da ponta e estava eu muito descansada quando a pessoa que estava na cabine ao lado tira o casaco e deixa cair umas 10 moedas para dentro da minha cabine. Obviamente não me ia levantar a meio do ato para apanhar as moedas, então fiz o que tinha a fazer, saí da cabine e esperei pela senhora para lhe devolver o dinheiro. Quando a porta da cabine se abre, sai de lá um homem. Sim, um homem!! Na casa de banho das mulheres. Eu armada em chica esperta, a pensar "vanda tenta deixar a senhora à vontade" e sai-me dali um homem. Um macho. Se soubesse que iria acontecer tal coisa tinha guardado as moedas e ido embora, com que cara iria ele dizer a alguém "roubaram-me dinheiro no wc das mulheres?". Ah pois!! 

3. Foi no WC do Pingo Doce da Belavista (sim, aquele nojento .... ah, mas espera ... são todos nojentos!). Estava eu a trabalhar quando me veio uma 'pressão' repentina, daquelas que não dá para guardar mais de 30 segundos. Pousei a roupa e lá fui eu, passei pelo balcão, desfilei à frente dos jerônimos e virei à direita, rumo ao wc das mulheres. Entrei e lá fiz o que tinha a fazer. Quando acabei, estava uma senhora da limpeza com o carrinho à frente dos lavatórios e, quando me dirigia para ir lavar as mãos (ela decerto não deve saber o que isso é), ela muito zangada diz-me: "Num podi lavar mãos, vou lavar casa di banho". Desculpe? Quer dizer, tenho de fazer o meu xixi onde já passou todo o tipo de doenças imagináveis porque pessoas como ela não fazem o trabalho que deviam, e ainda me quer proibir de lavar as mãos? "Num bai dar, num bai dar, lavar mãos só lá no fundo". Eu como não sou de modas, lavei as mãos 3 vezes e ainda salpiquei o espelho com pinguinhos (uma rebelde, eu sei!) e fui embora como se fosse a rainha da Inglaterra. 

Espero que os meus exemplos vos sejam uteis para um futuro próximo ... e se tiverem coisinhas parecidas ou bem piores, partilhem comigo, adorava saber que não sou a única a quem estas coisas bizarras acontecem.



Sem comentários:

Enviar um comentário